Concursos

A exemplo da legalidade, onde percebe-se que existem leis que ‘pegam’ e outras que não ‘pegam’, no Brasil só dá certo se ‘pega’. Tal situação pode até permitir a políticos cassados(?) por improbidade manterem-se liminarmente(?) no cargo, enquanto alguns eventos não ‘pegam’. No aspecto social, a repetida fórmula de concurso de miss, no qual se expõe jovens beldades aos critérios (?) ‘sabe-lá-quais-óbvios’ de julgamento, não há muita repercussão pelo Brasil afora. Sabe-se que uma, entre todas as que desfilarão, será eleita a nova miss Iguape.

Alguém se lembraria quem é a atual miss Iguape? Talvez haja uma diferença grande entre a nossa latinidade e a de países tal como a Venezuela. Lá, a força desses concursos é tamanha que possibilitou a uma delas candidatar-se à presidência do país. Afora isso, concursos de misses trazem outro aspecto intrigante, guardando proximidade com o comportamento dos políticos.

Vejamos… ambos ganham um título, acompanhado de uma faixa… O eleitor vota no candidato mais simpático, elegante, enfim, aquele que cativá-lo. A miss também recebe os votos, muitas vezes, em razão das poucas palavras, aspecto visual e simpatia com a qual mostra-se. Paramos aí; afinal, se de um ano a outro até esquecemos quem é a miss, alguns políticos que ocupam cargos eletivos atualmente – por sorte são apenas quatro anos –, não permitem que nos esqueçamos deles, em razão dos constantes aborrecimentos que nos causam com práticas políticas retrógradas. Daí, talvez, explica-se o costumeiro interesses de políticos ‘a moda antiga’, comportando-se como se ainda estivessemos no tempo do Coronelismo, com ferrenha opressão aos ‘do contra’ e corriqueiro paternalismo aos seus ‘adeptos’.

Para se ocupar muitos cargos públicos, com responsabidades um pouco mais sucintas e salários mais baixos do que o de prefeito e vereador, a lei obriga a aprovação em concurso disputado e onde existem complexas questões que envolvem desde matemática, português e até a legislação pertinente ao cargo. Algumas vezes, nos meus desvarios, penso acerca disso… Por quê não submeter os postulantes a cargo público de chefes de executivo e de membros das casas legislativas, a uma ‘primeira fase’ onde deveriam prestar uma prova semelhante? Como exemplo, passariam pela ‘peneira da prova’ cinco vezes o número de vagas que há para o cargo. Assim, os candidatos teriam, necessariamente, algum preparo para lidar com a complexidade das leis. Bom… o ‘feitiço pode virar contra o feiticeiro’. Essa idéia não é nova e sequer inédita; algumas pessoas sustentam que assim haveriam mais fraudes. Afinal, sem possuir grandes conhecimentos já abusam. Imagine você (eu me poupo disso) se eles tivessem mais habilidades com os trâmites legais!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s