Sabesp levará água do Rio Ribeira para a Capital

Obra da Sabesp vai repor um terço da água desperdiçada pela própria estatal.

A Sabesp pretende iniciar até o começo do ano que vem uma obra estimada em R$ 1 bilhão para captar água no Vale do Ribeira. A obra inclui a transferência da água captada para a Grande São Paulo, por uma distância de cerca de 80 km.

Se o projeto for mantido, 5.000 litros de água por segundo serão desviados da bacia do rio Ribeira de Iguape, em 2016. O novo volume representa 9% do que a Sabesp vende na Grande São Paulo.

A nova fonte de água, no entanto, equivale hoje a um terço do que a estatal desperdiça em sua rede -26% da água, ou 17,4 mil litros por segundo, é jogada fora.

A meta da companhia é chegar a um índice de desperdício de 15% em 2019, padrão verificado em cidades europeias e norte-americanas.

ÁGUA ESTRANGEIRA

Pela primeira vez na história, a empresa vai captar água fora da região metropolitana.

O projeto, que depende da destruição de 34 hectares de mata atlântica, inclui ainda a intervenção (sem desmate total) em 52 hectares de áreas de proteção permanente e a retirada de centenas de pessoas para garantir equilíbrio na distribuição de água para a Grande São Paulo até 2020.

Depois disso, a estatal vai ter de encontrar nova fonte de captação de água.

Em uma obra que nasce como paliativa, a Sabesp vai destruir o equivalente a 43 campos de futebol de mata preservada para não deixar parte dos moradores da região metropolitana sem água em menos de dez anos. A supressão também vai afetar matas urbanizadas, o que aumenta o estrago para cerca de 70 campos de futebol.

Por força da lei ambiental, duas audiências para discutir o projeto serão feitas em Ibiúna e Cotia em agosto.

IMPACTOS

Os impactos ambientais negativos podem ser vistos como um mal necessário, mas especialistas dizem que a obra é insuficiente para resolver o problema.

A própria diretora-presidente da Sabesp, em entrevista à Folha quando tornou público o projeto [ontem ninguém da empresa deu entrevistas], confirmou o efeito paliativo da obra.

A principal critica ao modelo é buscar água cada vez mais longe da capital.

A necessidade de novas obras, segundo eles, passará a ser infinita se outras ações não forem consideradas.

“Nós precisamos repensar as outorgas de captação de água na Grande São Paulo”, defende Wagner Costa Ribeiro, geógrafo da USP.

Hoje, diz ele, existem empresas que captam água de forma intensiva na região.

“Na área de Mogi das Cruzes, duas ou três indústrias captam mais água do que a cidade inteira”, diz.

Para ele, deveria ser mantido o que prevê a legislação. “A prioridade tem que ser dada para o abastecimento público e não industrial”.

Outra ação para evitar o que Renato Tagnin, urbanista especialista em planejamento ambiental, chama de “desrespeito aos padrões de segurança da ONU para água” passa por atacar o desperdício das redes.

RELATÓRIO

O Relatório de Impacto Ambiental feito por empresa especializada para a nova obra da Sabesp conclui que a obra é viável.

Apesar de a maior parte dos 34 hectares que serão desmatados estar em áreas de proteção ambiental, esse desmatamento foi considerado pequeno pelos responsáveis pelo estudo.

De acordo com o documento, o trecho Sul do Rodo, com 61 km de extensão, devastou 459 hectares. E, o trecho leste, que terá 43,5 km de comprimento, vai requerer 275 hectares de áreas que hoje estão vegetadas. A obra da captação de água no Vale do Ribeira vai ter 93 km de adutoras e 40 km de linhas de energia.

De acordo com a Sabesp, serão gastos R$ 7 milhões com as compensações ambientais. Valor que ainda será definido na emissão da licença prévia.

Anúncios

4 Respostas para “Sabesp levará água do Rio Ribeira para a Capital

  1. Claudia Trigo

    Qual o impacto ambiental para a fauna? Como isso atingirá aos peixes da nossa região? A flora já vimos que será devastador!

  2. Alexandre Fischer

    A Sabesp deveria ser obrigada pelos orgãos competentes ou até mesmo pleo ministério público a recuperar as ruas da nossa cidade (Iguape) que encontra-se em péssimo estado. Onde existe um tampão da Sabesp geralmente tem lajotas soltas. Na Av. Adhemar de Barros quando foi asfaltada era um espetáculo, hoje em dia e uma buraqueira que da até medo. Onde eles abrem a rua pra executar algum serviço sempre fica um buraco e com o passar dos tempos a mesma fica em péssimo estado, causando danos financeiros aos proprietários de veículos e até mesmo podendo causar acidentes dos que nelas transitam. Os vereadores deveriam fiscalizar estas empresas que prestam serviços a população para que sejam responsabilizadas e multadas pelos danos causados a nossa cidade e a população. Fico indiguinado com essa situação e mais ainda com as autoridades que podem e não tomam as devidas providências.

  3. Seria melhor promover medidas de combate ao desperdicio, principalmente nas empresas, pois elas sim possuem muito mais gastos e desperdicios de água que as residencias.
    Acho que essa transposição das aguas do vale do ribeira para a capital é uma medida ineficaz, ja que irá estimular ainda mais o consumo, que por sua vez fará com q o Estado busque outras fontes explorar e devastar.

  4. Perguntas: o povo do Vale do Ribeira foi consultado a respeito disso ? Essa “transposição” irá afetar a disponibilidade hídrica do Vale no futuro ? Em todo caso, essa parece ser a nova função do Interior nesse estadeco de SP: ser reservatório de água da região metropolitana de SP. Não basta apenas ao Interior ser um COVÍL de pedágios e presídios, né gente. Ah, continuem votando naquela República Higienista Paulistana do PSDB. É disso pra PIOR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s