Confraria da Dança em Registro nos dias 28 e 29

“Carta para não mandar ou cantiga interrompida”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Projeto realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura – Programa de Ação Cultural 2011.

A Confraria da Dança comemora com esta circulação pelo interior do Estado de São Paulo os oito anos em cartaz do solo da bailarina Diane Ichimaru. O espetáculo percorre durante os meses de julho e agosto de 2012 as cidades de Amparo, Caraguatatuba, Indaiatuba, Jacareí, Jaguariúna, Porto Feliz, Registro, Ribeirão Preto, São Sebastião e São Simão.

“CARTA PARA NÃO MANDAR OU CANTIGA INTERROMPIDA”
A inquietude do ser é a matéria prima deste solo de dança. Obra aberta – inacabada e inacabável – habita o terreno fértil de pensamento desordenado, fragmentário e lacunar. O movimento é impregnado pela tensão de frase incompleta, pelo caos desassossegado do pensamento. Corpo em contradição entregue ao desatino, em redemoinho atemporal e prolixo dos destroços da memória. Uma dança contaminada por nostálgicos perfumes de jardins de avós, poeira de sótãos e porões. A ação discorre sem se completar, como ruídos que sobem da rua – passos, fiapos de conversas, crianças brincando… Diálogo íntimo e sigiloso desfruta as sensações do encontro da artista com o público, único e fugaz.

“As respostas somem de dentro da minha boca,
Alfinetes engolidos antes de espetar o tecido que seria vestido.
Furta cor, cor roubada num lampejo, presa no tecido do vestido.
Verde. Fúcsia. Magenta. Cobalto. Sulferino.
Fósforo riscado, memória apagada.
Volto logo. Espere à sombra.”

Diane Ichimaru

FICHA TÉCNICA DO ESPETÁCULO

Criação de coreografia e texto, direção e interpretação, concepção e confecção de figurino:
DIANE ICHIMARU

Plano de iluminação, técnica e operação de luz e som: MARCELO RODRIGUES

Produção: CONFRARIA DA DANÇA

Duração do espetáculo: 45 minutos
Classificação: LIVRE – Faixa etária recomendada: Público jovem, adulto, terceira idade

Contato: MARCELO RODRIGUES – Campinas/SP – (19) 3307.4917 / (19) 9292.4917
confrariadadanca@terra.com.br http://www.confrariadadanca-campinas.blogspot.com

DIANE ICHIMARU
Prêmio APCA/2009 – melhor criadora/intérprete
Natural de Bragança Paulista, iniciou sua carreira profissional em dança em 1983. Graduada pelo Departamento de Artes Corporais do Instituto de Artes/UNICAMP, é bailarina, coreógrafa, artista plástica e produtora artística, fundadora e integrante da Confraria da Dança. Sua formação em dança inclui técnica clássica, dança moderna, dança contemporânea e danças brasileiras. Nas artes plásticas, possui formação livre e experiência profissional em desenho, ilustração e criação publicitária. Desenvolve também projetos de cenografia, figurino e criação gráfica de espetáculos de dança.

A CONFRARIA DA DANÇA
Fundada por Diane Ichimaru e Marcelo Rodrigues, a CONFRARIA DA DANÇA completou em 2012 dezesseis anos de atividades relacionadas à pesquisa de linguagem própria, criação e produção artística. Suas ações pioneiras movimentam a cena artística de Campinas e região desde a inauguração de sua primeira sede em 1996. A CONFRARIA DA DANÇA acumula premiações, parcerias com artistas das áreas da dança, teatro, música e artes plásticas. Vem difundindo a dança atuando prioritariamente na própria cidade/sede e pelo interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais através de ações independentes, parcerias com Secretarias Municipais de Cultura e Educação, instituições privadas, projetos de montagem e circulação premiados pela FUNARTE, Ministério da Cultura e Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. Promove atividades diversificadas de formação e fruição artística, traçando um crescimento radial em seu campo de ação junto à comunidade, atingindo público leigo infantil, adulto e terceira idade, estudantes de arte em processo de formação e artistas profissionais em busca de reciclagem e capacitação.

HISTÓRICO DO ESPETÁCULO
A 1ª versão de “CARTA PARA NÃO MANDAR OU CANTIGA INTERROMPIDA” estreou no saudoso evento “O Feminino na Dança / 2004” do Centro Cultural São Paulo. Em março de 2005 o solo teve sua pré-estreia em versão completa em Ribeirão Preto/SP e em maio do mesmo ano estreou em Campinas. Em seus anos de vida, o espetáculo percorreu mais de 30 cidades em aproximadamente 60 sessões. Foi veiculado através de importantes projetos como o FORA DO EIXO/SESC Ipiranga (2005), CARAVANA FUNARTE PETROBRAS DE CIRCULAÇÃO NACIONAL (2007), PALCO GIRATÓRIO/SESC Nacional (2008). Em 2010, “Carta…” integrou a temporada de repertório do grupo através do PRÊMIO FUNARTE DE DANÇA KLAUSS VIANNA 2009, realizando temporadas em Campinas, São Paulo e Belo Horizonte, além de ter sido apresentado em diversas unidades do SESC/SP. Em 2011 o solo participou da VIRADA CULTURAL PAULISTA e da Mostra “DANÇA E MOVIMENTO” em Ilhabela. A longeva trajetória do solo desde sua estréia, somada ao evidente amadurecimento da obra alimentam o desejo do grupo em continuar ampliando seu campo de ação com este espetáculo, realizando a presente circulação.

Segue um trecho de crítica publicada sobre “CARTA…” durante o processo de criação e temporada de estreia:

“(…) o novo espetáculo revela uma dançarina em plena consciência do seu corpo e do sentido que deseja dar a cada movimento, através do desenvolvimento de uma linguagem pessoal, como ela mesma diz, “descartando a rigidez da forma, sem estar acorrentada a nenhuma técnica ou estética específica e pré-rotulada”. Diante deste propósito, fica difícil encaixar o seu trabalho dentro de uma única linguagem – Carta para Não Mandar… também é teatro, uma vez que Diane aproxima a dança ao ato de falar e cantar. (…) Intenso e feminino, Carta para Não Mandar… parece vir para revelar a força das palavras que ficam ainda mais fortes quando “desenhadas” no espaço pelo corpo da dançarina. Ao final, não se fecha como um círculo, permanecendo aberto para um eterno recomeçar.(…)”
Carlota Cafiero – ”Intenso e feminino”
Publicada em 03/03/2005 no Caderno C – Correio Popular – Campinas/SP

O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA CONFRARIA DA DANÇA
“Carta para não mandar ou Cantiga interrompida” dá continuidade à pesquisa da criadora/intérprete, que desenvolve uma linguagem pessoal focada em suas raízes culturais. Diane Ichimaru descarta a rigidez da forma ao desvencilhar-se do comprometimento com técnicas/estéticas específicas e pré-rotuladas. Seu movimento apurado enfatiza a organicidade e a conexão dos sentidos, vai de encontro a uma dança visceral, resultante do destrinchar de imagens internas. O ato de criação é tratado com liberdade poética, sem a imposição de organização de roteiros lineares. A criadora/intérprete propicia ao público um campo de possibilidades, a ser preenchido no momento único da fruição. Além das potencialidades do corpo, seus recursos vocais são trabalhados buscando a expressividade da voz aliada ao movimento, sem barreiras de expressão, apropriando a dança ao ato/movimento de falar, cantar. Particularmente nesta criação, a presença em cena de um longo texto poético de punho da própria bailarina permite a experimentação de contrapontos de articulação entre os universos do verbo/fala e do corpo/movimento. A composição dialoga com a sonoridade do movimento e o movimento da palavra. A construção de figurinos faz parte do processo de criação da bailarina. A criação de vestimentas e adereços durante os laboratórios, centrando na criadora/intérprete todas estas fases de construção do trabalho cênico, proporcionam independência no desenvolvimento do processo e reforça a opção por explorar a linguagem pessoal.

AGENDA
No atual momento da produção do projeto, estamos com 10 apresentações com agendas confirmadas nas seguintes cidades e locais:

INDAIATUBA: dias 13 e 14 de julho / apresentação na sexta feira e workshop no sábado
Local: Estúdio em Cena – Rua Onze de Junho, 335 / Centro

SÃO SIMÃO: dia 21 de julho / sábado
Local: Theatro Carlos Gomes – Rua Rodolfo Miranda, 277 – Centro

PORTO FELIZ: dia 27 de julho / sexta feira
Local: Estação das Artes – Rua Othoni Joaquim de Souza, s/n – Centro

REGISTRO: dia 28 e 29 de julho / apresentação no sábado e workshop no domingo
Local: Auditório do Centro de Educação e Cultura K.K.K.K. – Rua Miguel Aby Azar, 53

AMPARO: dia 04 e 05 de agosto / apresentação no sábado e workshop no domingo
Local: Casa do Teatro – Rua Barão de Campinas, 619 / Centro

JACAREÍ: dia 08 de agosto / quarta feira
Local: Sala Mário Lago – Pátio dos Trilhos, s/n / Centro

CARAGUATATUBA: dia 09 de agosto / quinta feira
Local: Auditório Maristela de Oliveira – FUNDACC – Rua Santa Cruz, 396 / Centro

SÃO SEBASTIÃO: dia 12 de agosto – domingo
Local: Teatro Municipal de São Sebastião – Avenida Doutor Altino Arantes, s/n / Centro

RIBEIRÃO PRETO: dia 14 de agosto – terça feira
Local: SESC Ribeirão Preto – Galpão de Eventos – Rua Tibiriçá, 50 – Centro

JAGUARIÚNA – Dia 18 de Agosto / sábado
Local: Teatro Municipal de Jaguariuna “Dona Zenaide” – Rua Alfredo Bueno , 1151 / Centro

“Projeto realizado com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura – Programa de Ação Cultural 2011”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s