Giannis Antetokounmpo ajuda a tática de Spanoulis e está pronto para Paris

Giannis Antetokounmpo foi bem integrado, a seleção distribuiu… 38 assistências e todos pareciam confiantes, lançando as bases para a competição pré-olímpica. Escrito por Yannis Pilaris.

Do (bom) desempenho, do desempenho e dos novos aplausos à seleção nacional, temos no final a afirmação de Vasilis Spanoulis: “As crianças vieram com um propósito…” Para se qualificarem para os Jogos Olímpicos, ou seja . Terminados os amigáveis ​​e os pré-olímpicos à porta, o desejo de todos no SEF é “espero que haja um encontro em Paris”.

Eu gostaria, sim. Para encontrar o grupo na sua melhor situação, respeite as proporções e o tempo limitado de produção. A primeira diferença importante é um bilhete para o Lille (sede da primeira mão) e para o Palais des Percy (a final, que todos esperamos que seja a segunda e maior) para colocar os egos de todos sob um objectivo comum. Que todos fiquem bem, sem contratempos e com dedicação, como diz seu treinador, para disputar o torneio olímpico pela terceira vez na história do basquete grego.

A inclusão de John pode ter sido um pouco confusa no início. Lógico, porque mostra a mentalidade de toda a equipa que, como disse Dinos Midoglou, “todos temos que adaptar o nosso jogo a ele”, agora que voltaram a encontrar uma estrela da NBA. Foi Nick Calathes quem primeiro o colocou no clima, serviu-lhe duas cestas e o fric grego estava quase pronto.

Obviamente, ele precisará de sessões de treinos nos próximos dias para intensificar seus próprios ritmos e acompanhar os outros. Jogou menos de quinze minutos, marcou 14 pontos em 5/6 arremessos e 4/6 arremessos, pegou facilmente 5 rebotes, distribuiu bem a bola em times duplos e triplos da defesa adversária, aproveitou a ajuda de dispositivos. Indo para a trave rasteira, derrubando a bola e principalmente mostrando que não está incomodado com a lesão.

READ  Grécia entre os melhores destinos de férias para os europeus – quem vota no nosso país, porquê e quanto desperdiçam

Podemos ter certeza de que Giannis está mais calmo, mais quieto e melhor a cada dia. A competição pré-olímpica é aquela que evita surpresas e erros. Requer… precisão cirúrgica nos olhares e principalmente nos golpes. Os adversários já se reuniram. Junto com os eslovenos está integrado Dancic, que, apesar de sofrer de excesso de trabalho nas finais da NBA, volta a marcar presença este ano, enquanto a Croácia, treinada pelo ex … louco por Deus Slaven Rimac, parece particularmente ameaçadora.

Não os tememos, afinal comem bigodes entre si, mas não os subestimamos. A seleção vai jogar com o coração na cabeça, sem alarde e palavras vazias!

A alegria da criação

Em teoria, a seleção mais forte que enfrentamos na “Acrópole” são as Bahamas. Na prática, os adversários ávidos e alimentados pelos americanos se sentiram mais difíceis que Montenegro, pois jogaram seu clássico basquete um contra um, com poucos passes e mais chutes, encontrando ritmo e “matando” o adversário.

A graxa está preparada. Enquanto as Bahamas sufocavam sob a defesa mais acirrada dos nossos internacionais, a seleção grega apresentou uma apresentação musical verdadeiramente criativa. As 38 (!) assistências registadas pelo contador é um número sobrenatural, mas indica primeiro as intenções da equipa e depois a sua capacidade de circulação da bola!

Sobrenatural? Não muito. Como escrevemos desde o primeiro amigável contra a Polónia, a coexistência de duas cartas de topo que até Spanoulis coloca nas mesmas cinco é uma verdadeira bênção para a selecção nacional. Nick Calathes deu 11 assistências e Thomas Walkup deu 9 assistências em quase 20 minutos cada.

Obviamente, Giannis é uma super arma que faz dezenas de coisas em campo, mas os dois armadores podem ser o grande diferencial desta equipe. Spanoulis, como ninguém… não só acreditou, mas Giannakis, que havia imposto a dupla Papaloukas-Diamonditis 20 anos antes, tinha a intenção de mostrá-los juntos e vencer com defesa, criação e velocidade. E… se jogarem menos, não se preocupe. Eles marcarão os três pontos, se necessário.

READ  West Brom 3-1: 'Santos' reivindicam passagem para a Premier League em confronto de milhões contra o Leeds

Sim, por mais que Diamantidis e Papaloukas sejam muito parecidos, eles não se enquadram no mesmo molde, então as forças Calathes-Wokaps podem provar ser grandes juntas ou individualmente. Spanoulis está demonstrando muita confiança, não sem razão, e isso – dentro deste período mínimo de preparação – é um truque que não esperamos…

(Todas) as cenas que entraram

Com tantas assistências, é lógico que uma equipe que, pelo terceiro jogo consecutivo, mostrou que não tem medo de chutar. Desta vez ele acertou mais 2 pontos (29) do que 3 pontos (26), com um percentual de quase 80% de perto e perto de 50% de longa distância. Uma ótima combinação, mas obviamente não teremos esses números em partidas com adversários melhores.

Porém, como se viu desde o primeiro amistoso contra a Polônia, a seleção nacional não hesita em realizar muitos chutes que o adversário defende. Ele não hesita em dirigir e, ao movimentar a bola rapidamente, inicia e desmente o mito de que a Grécia sofre com o chute de longa distância.

Reservaremos, caso contrário você atirará em amistosos, caso contrário você atirará também em competições que entregam títulos ou qualificações, mas esse elemento faz parte do jogo da seleção que Spanoulis e seus colegas administram. A equipe parece não apenas focada no seu objetivo, mas também sabe como chegar lá. A experiência e qualidade de jogadores como Papanikolaou e Mitoglou somaram-se a todos os sinais encorajadores que vimos nos últimos dias e eles se traduzirão em prática e todos esperam no chão da histórica casa do SEF.

Dezenas, se nada mudar drasticamente nos próximos dias, parecem já ter sido criadas, o treinador federal vê que pode obter soluções do banco, e aos poucos todos são seus … franceses.

READ  Athletic Bilbao - Barcelona 4-2 (Pa.): Leões em "4" da Copa! (vídeo)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *