O eurocéptico Viktor Orban assume as rédeas da União Europeia

Depois da Bélgica, uma Hungria imprevisível: o país de Viktor Orbán assume a presidência rotativa do Conselho da União Europeia durante seis meses a partir de hoje, comprometendo-se a agir “com imparcialidade” para acalmar as preocupações de Bruxelas.

Apesar da invasão russa da Ucrânia, dos desvios antidemocráticos e dos laços com o Kremlin: a presidência húngara é vista como perturbadora pelo Parlamento Europeu e por muitos Estados-Membros.

Em Budapeste, o governo procura tranquilizar os preocupados, dizendo que está pronto para assumir os “deveres e responsabilidades” da sua missão, que vai até Dezembro.

“Agiremos como mediadores imparciais, com total lealdade a todos os Estados-membros”, disse o ministro húngaro dos Assuntos Europeus, János Boca, em meados de Junho, ao apresentar o plano do seu país.

“Ao mesmo tempo”, a Hungria concentrar-se-á em melhorar “a sua visão da Europa”.

Sobre o Estado de direito, a imigração e a guerra na Ucrânia, Budapeste quer que as suas diferenças sejam ouvidas, que já viu entrar em conflito mais de uma vez com os seus parceiros da UE e gastou milhares de milhões de euros paralisando os recursos europeus.

Depois da última presidência da Hungria, em 2011, Orbán comentou com satisfação que tinha dado “cutucadas, tapas e bofetadas amigáveis” nos “algozes entusiasmados” do Parlamento Europeu.

Desta vez, o veterano primeiro-ministro, de 61 anos, utilizou uma série de vetos nos últimos meses para bloquear a ajuda militar a Kiev, menosprezando a “elite tecnológica” de Bruxelas.

Prometeu “conquistar Bruxelas” após as eleições europeias, que descreveu como “históricas”, mas apesar do aumento da extrema direita em 9 de junho, não obteve uma vitória impressionante.

Viktor Orbán não conseguiu influenciar a seleção de pessoas para cargos-chave na UE: apesar da sua oposição, Ursula van der Leyen continuará a ser a chefe da Comissão.

READ  Gedaf 1-1: Moreno responde ao gol de Maksimovic de prolongar a invencibilidade do Yellow Submarine

O primeiro-ministro húngaro acabou por não conseguir ganhar o Parlamento Europeu: perdeu deputados e deputados do seu partido, o Fidesz, estavam entre aqueles que não aderiram a nenhum bloco euro.

No entanto, continua processos com outros partidos da Europa Central.

No domingo, Orban anunciou a sua intenção de formar um Eurogrupo chamado “Patriotas pela Europa” de Viena, juntamente com o Partido da Liberdade nacionalista austríaco (FPO) de Herbert Gieglin e o populista ANO do eurocéptico ex-primeiro-ministro checo Andrej Babis.

O sucesso na criação do Eurogrupo requer o apoio de quatro países.

A presidência da Hungria baseia-se em sete prioridades, incluindo o reforço da “competitividade económica” da UE, uma melhor resposta à “imigração ilegal” e a melhoria do processo de adesão dos Balcãs Ocidentais.

Orbán tentará, sem dúvida, levantar barreiras em algumas questões fundamentais e afrouxar as restrições ao respeito pelo Estado de direito para que o seu país receba fundos europeus, mas “a sua margem de manobra é limitada”, avalia o investigador alemão Marshall Daniel Hegedus. Finança.

Segundo vários diplomatas, a presidência rotativa, que permite a um país controlar a agenda da assembleia de 27 membros, confere-lhe um poder considerável, mas não absoluto.

Em particular, as instituições belgas e europeias dispõem de salvaguardas para tomar decisões radicais e “controlar a volatilidade”, explica Hegentes.

Foram aprovadas novas sanções da UE contra a Rússia e iniciaram-se negociações de adesão “históricas” com a Ucrânia: duas decisões com as quais a Hungria discordou.

Embora menos perturbadora, Budapeste não hesitará em enfrentar “desafios de comunicação”, previu o mesmo analista.

O lema presidencial da Hungria é “Tornar a Europa Grande Novamente”, emprestado do ex-presidente dos EUA, Donald Trump.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *