Messolonghi: O açougueiro não está “quebrado”.

Seu clímax de suspense Um caso de desaparecimento e homicídio como tudo indica é o de um jovem de 31 anos de Mesolonghi As esperanças de encontrá-lo estão desaparecendo, mas todas as evidências até agora sugerem que é culpado Energia.

O principal suspeito do caso, um açougueiro de 50 anos, foi levado de volta à Diretoria Geral de Polícia de Etolokarnania na tarde desta quarta-feira (17/1) para prestar depoimento e ser interrogado. Novos fatos surgiramA partir da análise de pegadas e conversas no celular, segundo ele, no fatídico dia, a pegada do amigo também é encontrada na área “trancada” pela busca do desaparecido.

Apesar de sua investigação que durou a noite toda, 50 anos Ele não concordou. No entanto, ele continuará sob custódia e um caso será registrado e enviado hoje a um advogado qualificado. Espera-se que um mandado seja emitido contra ele Com os dados recolhidos pelas autoridades.

Os amigos e parentes do jovem de 31 anos se reuniram em frente à delegacia de polícia de Mesolonghi e gritaram. “Onde está Babis?” E ele pediu a um homem de 50 anos que falasse.

Messalongi: trazendo o amigo do açougueiro

Quando ele foi ao advogado, Seu amigo também deverá ser trazido. Como mencionado acima, no fatídico dia do desaparecimento da vítima, as provas a colocam no local, por isso ela deve ser interrogada para um caso altamente aclamado.

Recorde-se que, nas últimas 24 horas, os agentes policiais que investigam o caso telefonaram para o particular e levaram o seu telemóvel ao laboratório forense para exame. Seus policiais agora participam do processo de investigação e em conjunto com as novas provas à disposição das autoridades. assassinatos que foram até a área para ajudar seus colegas.

READ  36 deputados do SYRIZA ficarão hospedados na villa de Stefanos Kassalakis durante três dias em Spetses.

Em declarações ao Mega, mencionou os motivos da entrega do seu telemóvel às autoridades de Mesolonghi. O jovem de 31 anos disse repetidamente que não sabe o que aconteceu.

“Como tenho um filho e não posso estar sempre presente, entreguei o telemóvel para que as autoridades possam averiguar se há alguma coisa. Demos provas às autoridades, não importa quantas vezes nos ligaram na última terça-feira, 16/1. Não sabemos o que aconteceu, as autoridades não dizem nada, também estamos aguardando. Eles disseram que haverá melhorias em breve.” disse o homem de 36 anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *