Norueguês que matou barman diz que queria se matar

A família do policial Haris Kaladas, de 32 anos, que foi morto fora de serviço por um norueguês de 44 anos em uma cervejaria na rua Katsimidis, em Salónica, entrou com uma ação civil. Em declarações ao Status, a advogada da família, Anthoula Anasoglou, insistiu que as alegações do arguido de que tinha problemas de saúde mental não eram verdadeiras.

“Foi um conto de fadas, foi uma forma de ele conseguir uma bolsa do governo norueguês. “Este homem, ouvi tanto, criou distúrbios tantas vezes que foi banido do país”, disse ele caracteristicamente, e o bairro que frequentava o conhecia bem.

“Nem todos saímos de casa com uma faca nas mãos. O jovem de 32 anos teve o azar de sobreviver desde o momento em que foi atacado.

Por sua vez, o advogado norueguês Thodoris Karagiannis, falando no programa Status e Dimitris Veneris, disse:

“O assassinato não é negado como um ato. A doença mental e o estado de intoxicação da época eram o problema.

Um especialista será nomeado para nos dar uma visão. Até agora mostra um homem com muitos problemas mentais graves. Ele nunca foi seriamente considerado por sua condição mental, ele tem um documento para se aposentar por motivos mentais. A pensão da Noruega era muito alta.”

“Ele recentemente carregava consigo a arma do crime quando foi agredido. Ele usou drogas… ele não tem envolvimento nos circuitos”, disse o Sr. Karagianis acrescentou:

“Ele vive dizendo que quer se matar. Sua mãe o abandonou, seu pai abusou sexualmente dele… Ele não tem ninguém a quem pertencer. Ele tem poucos amigos para apoiá-lo.

READ  O incidente de abuso de criança de 2,5 anos causou um choque

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *