Retrospectiva – Pensões: Presentes-Benefícios ao vivo em 11 meses – 7 categorias de aposentados – Newsbomb – Notícias

De Dora, 370 mil pensionistas apelaram coletivamente e reivindicaram cortes adicionais nas pensões. Eles estão preocupados com os pensionistas antes de maio de 2016.

O Supremo Tribunal discutiu a questão da constitucionalidade na quarta-feira ou três prestações de gratificação (Natal, Páscoa, Férias de Verão) durante 11 meses, de 06/11/2015 a 05/11/2016, na previdência complementar do setor privado, sem cortes.

Durante a reunião de ontem, a primeira questão discutida foi se o tribunal realmente tinha jurisdição para analisar o assunto e se havia decisões conflitantes entre o Supremo Tribunal e o Rajya Sabha.


A relatora do processo, Conselheira de Estado Irini Stavroulakis, levantou a questão da inadmissibilidade relativamente à introdução do processo em tribunal, afirmando essencialmente na sua recomendação que cada tribunal é influenciado por dados legislativos diferentes, segundo a publicação de hoje da Imprensa Livre.

Segundo o relator, importa analisar se o Fundo de Capital Próprio dos funcionários do Banco da Grécia pode ser considerado um sistema de seguros subsidiário como o decidido pelo Supremo Tribunal, portanto, se a mesma questão for levantada em ambas as decisões (SteC e AP) ou vice-versa, as diferenças entre os sistemas de seguros subsidiários referidos em cada decisão, a questão por eles decidida será distintiva.

Como noticiou ontem o Newsbomb.gr, a sua posição causou indignação por parte dos advogados dos reformados do Banco da Grécia, que indicaram que o AED deveria ultrapassar os limites aceitáveis ​​​​e entrar na questão da constitucionalidade ou entrar em cortes polémicos. , os dois tribunais em causa interpretaram as mesmas disposições legais.

O advogado do banco e o advogado da EFKA, que intervieram a favor do banco, argumentaram que o Supremo Tribunal estava a considerar as mesmas disposições legais que o Supremo Tribunal e tinha uma interpretação oposta ao mesmo quadro legislativo. O AED deve entrar na essência do caso.

READ  Sissy Cristido: “Estou vivendo uma vida um pouco dupla”

O representante da EFKA interveio na audiência do processo e decidiu que a “pensão é adequada”.

Segundo o assessor jurídico da AGSEE, Vassilis Nikoletakis, que participou da investigação, a decisão deverá ser publicada após 3 a 4 meses.

O que vai acontecer à seguir?

Se a recomendação for acatada, o Supremo Tribunal Federal não examinará o mérito da causa, mas a questão será encerrada. Isso significa que os pensionistas irão prosseguir com o seu pedido retroativo em tribunal.

Existem sete seções que os declaram

1. Pensionistas do Estado que recebem apenas a pensão principal superior a 1.400 euros.

2. Uma pensão estatal principal e complementar de 1.000 a 1.400 euros.

3. Pensionistas do Estado que recebam capital principal e subsidiário inferior a 1.000 euros.

4. Pensionistas do Estado que recebem uma pensão fixa, sendo a primeira uma pensão fixa de 1.400 euros.

5. Pensionistas de fundos do sector privado com valores principais e complementares superiores a 1.000 euros.

6. Reformados de fundos do setor privado com montantes principais e complementares inferiores a 1.000 euros.

7. Os pensionistas de fundos do sector privado recebem apenas uma pensão básica de montante independente.

Como chegamos ao AED?

Após decisões conflitantes do Conselho de Estado e do Supremo Tribunal Federal sobre o assunto, o caso foi arquivado no Supremo Tribunal Federal. Primeiro, o Supremo Tribunal decidiu que os cortes feitos ao abrigo das leis de reforma fiscal de 2012 eram inconstitucionais durante 11 meses entre 2015 e 2016.

No entanto, o Supremo Tribunal decidiu por unanimidade que os cortes nas pensões complementares do sector privado com base em presentes de Natal e Páscoa e no subsídio de férias para os mesmos 11 meses eram constitucionais. Recuperação do país.

READ  Israel bombardeou dois bairros em Rafah

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *