Achaya: “Ele me deixou quase aleijado”

Uma mulher de 62 anos fica chocada depois de ter sido estuprada por um homem afegão de 23 anos enquanto trabalhava em seu campo em Niforika, Acaia.

A senhora de 62 anos descreveu os momentos terríveis que viveu nas mãos do afegão, que foi preso e confessou tê-la estuprado.

Falando ao Live News, a mulher de 62 anos contou sua batalha para escapar do estuprador.

“Fui ao meu pomar colher tomate. Faço psicoterapia com isso, coloco tomate, pimentão e dentro da aldeia, não é fora da aldeia. De repente eu vi ele na minha frente. Falei ‘Socorro, socorro!’

A senhora de 62 anos estava em seu campo quando um homem começou a se aproximar dela. Ele falava um grego ruim e tentou abordá-la pedindo trabalho.

“Isso foi tudo o que ele disse. Ele me chama de “trabalho”. Eu digo: “Ele não tem trabalho. O irmão virá, estou esperando por ele. Dê-lhe um emprego. Sai agora porque eu tenho trabalho.’ E ele me dá um ‘ele não vai’ e entra porque estou dentro do pomar. Ele não sai, ele entra. acabou, terminei”, diz o homem de 62 anos.

“Quase me paralisou”

Sua esposa começou a gritar para ele ir embora. Então o homem a atacou. Ele a jogou no chão e a agrediu sexualmente, alegou o homem de 62 anos.

“Quase me aleijou. Agora estou no hospital, e a vértebra do meio está quebrada, está rachada. Ele me jogou no chão e depois levantou minhas pernas bem alto, muito alto, e quando eu estava apoiado do lado, em direção à minha cabeça, aparentemente por isso foi uma fratura (coluna)”, diz.

A mulher lutou com unhas e dentes para se salvar. Ela conseguiu estender a mão e pegar um martelo, com o qual bateu no nariz do homem, fazendo com que o homem de 62 anos fugisse.

READ  Camponeses inflexíveis – “Nossa luta começa agora”

“Ele era um completo estranho. De repente eu o vi na minha frente, o que gritei, o que implorei, nada, nada… Horror! Se eu não batesse nele, ele não escaparia de mim”, disse ele. aponta.

Um homem de 62 anos relatou o incidente e foi levado ao hospital. Os médicos que o examinaram constataram que ele havia sofrido uma lesão grave no quadril.

“Uso um Guardian há três meses. Tenho que ter cuidado ao me levantar porque é uma vértebra logo acima da cintura”, diz o homem de 62 anos.

“Que ele viva para sempre”

O homem foi identificado por um ferimento no rosto e levado ao Ministério Público. Lá ele recebeu um prazo para se desculpar por estar embriagado.

“Espero que ele fique e fique para o resto da vida. A culpa é minha por não ter dado outra chance com o machado nele”, comentou.

A mulher de 62 anos foi acusada de estupro ao tentar se recuperar e lidar com a agressão que recebeu.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *