Águias mudam de rumo para evitar batalhas

Os cientistas descobriram que até as aves migratórias estão agora a evitar a Ucrânia e as zonas de guerra que colocam as suas vidas em risco.

Dados de dispositivos GPS em águias mostram que elas se desviam do seu curso normal Mesmo 250 km. Além disso, eles fazem menos paradas para descanso ou as evitam completamente.

Esses desvios forçam os abutres Eles fazem longas viagens até seus locais de reprodução Então gaste mais energia, O guardião relatou.

Uma mudança na tendência, por sua vez Afeta a reprodução, não só porque a atrasa, mas também porque as águias precisam de mais tempo para ganhar força. Isso afeta as chances de sobrevivência dos pintinhos.

“É como receber ordens para correr uma maratona sem parar para beber água e depois correr mais 10-15 quilómetros”, diz um dos autores do estudo. Publicado em Biologia Atual.

Os cientistas estudaram os movimentos de 19 águias-pescadoras durante março e abril de 2022, que voam regularmente para o sul da Bielorrússia para acasalar. Mulheres Eles passam o inverno na Grécia e homens na África Oriental.

Em comparação com o período 2018-2021, o ano da guerra, 2022, As mulheres voaram mais de 85 quilômetros. Um deles ainda conseguiu voar uma distância de 250 km. A viagem durou em média dois dias (55 horas) a mais.

Por outro lado, embora 90% dos homens estivessem estacionados na Ucrânia, apenas 32% estavam estacionados após a guerra. Algumas partes do país, de facto, evitaram-nos completamente. Embora houvesse combates na cidade e houvesse águias destemidas voando sobre Kiev, eles foram combatidos adequadamente.

Notícias hoje:

Grã-Bretanha: “A verdade foi encoberta durante décadas” – o que mostrou o inquérito sobre o escândalo do sangue contaminado

READ  A famosa poetisa Maria Laina morreu

Tribunal Eleitoral: Ioannis Yatsios do ND perde seu assento, Athanasios Stavropoulos declarou MP

Mitsotakis: Encontro com Loutsescu em Salónica – felicitou-o pelo campeonato do PAOK

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *