Compradores do mercado de ações estão lutando contra a crise internacional

Última atualização 15h16

Por Manos Hachladakis

O mercado de Atenas mostrou forte resistência, uma vez que os compradores aceleraram o ritmo, apesar de uma série de liquidações internacionais na sequência da retaliação de Israel contra o Irão, proporcionando um impulso significativo, uma vez que bancos seleccionados de primeira linha continuaram a permanecer cautelosos por mais um dia.

Em particular, o índice geral abriu com uma queda de 0,69% para 1.371,5 pontos, mas agora fortaleceu-se ligeiramente de 0,75% para 1.931 pontos, com um volume de negócios satisfatório de 60 milhões de euros e um volume de transações de 13 milhões para o clima internacional . peças.

O índice bancário subiu 0,28% para 1.177 pontos, o FTSE subiu 0,72% para 3.375 pontos e o FTSEM Mid-Cap está se movendo ainda melhor para +1,24% para 2.256 pontos.

Depois de uma liquidação de dois dias no início da semana, após o aumento das tensões no Oriente Médio com o ataque do Irã a Israel no sábado, o mercado encenou uma reação volátil de dois dias, recuperando a zona de 1.380 ontem, mas novamente esta manhã depois de Tel Aviv retaliaram em Teerão, uma tarefa difícil à medida que as nuvens voltam a acumular-se na região.

Os relatórios iniciais foram mistos, mas Israel teria como alvo uma base militar no centro do Irão, com os meios de comunicação locais a minimizarem o ataque, afirmando que não foram relatados “danos significativos”. No entanto, os receios renovados de uma escalada mais ampla do conflito colocaram os mercados asiáticos no vermelho (especialmente com as pesadas perdas em Tóquio) e estão agora a pesar nos índices europeus.

Neste clima, a Avenida Atenas, que entrou na sessão com -1,4% desde segunda-feira, mostra moderação e explora a possibilidade de fechar o período de cinco dias, mantendo uma clara distância dos piores níveis técnicos (zona de 1.360 unidades). Se perderem, a levarão em grandes aventuras.

READ  Os perigos da abstinência – impressões e possíveis surpresas

No painel

Entre os principais favoritos dos compradores, PPC e Cenergy, que ficaram atrás dos ganhos de ontem, subiram 2,4% e 5,4% respectivamente hoje, com Mytileneos continuando a subir fortemente com +1,4%.

A Lambda tem um volume de negócios próximo, com novos ganhos de 3,3%, OPAP +1,2%, Jumbo +2,1%, além da Coca-Cola com forte índice de +0,7%.

Os bancos estão agora a explorar a possibilidade de uma subida, com Alpha +1,4%, Ethniki +0,6% e Pireu +0,3%, enquanto o Eurobank limitou as suas perdas a menos de 0,2%.

Os vendedores estão enfatizando Motor Oil, ELPE e OTE, mas agora caiu abaixo de 0,7%.

Entre as mid-caps, a Profile subiu mais de 8%, a Intracom subiu mais de 4% e a AVAX subiu 2,3%.

As primeiras correlações amplas em todos os níveis moveram-se agora claramente a favor dos compradores, com 82 ações subindo contra 39.

Os mercados internacionais estão à beira da liquidação

Na frente internacional, os índices de Wall Street não conseguiram recuperar o equilíbrio ontem, completando a quinta sessão consecutiva de queda e, apesar das primeiras tendências ascendentes, os futuros continuaram hoje em território negativo.

-0,2% no Dow Jones, -0,4% no S&P 500 e -0,6% no Nasdaq.

Na Europa, as perdas foram limitadas em relação à manhã, mas com os índices sob pressão, o alemão DAX -0,9%, o francês CAC 40 -0,4%, o britânico FTSE 100 -0,7% e o Pan-European Stocks 50 -0,55%.

Como mencionado acima, os índices asiáticos ficaram sob forte pressão hoje cedo, com o Nikkei caindo 2,5%, o KOSPI da Coreia do Sul caindo 1,6% e o Hang Seng de Hong Kong caindo -1%.

Não houve mudanças particulares no mercado obrigacionista, com os rendimentos ainda nos máximos de 5 meses, com os títulos de 10 anos dos EUA a 4,593% e os de 2 anos a 4,977%, enquanto os títulos de 10 anos gregos estavam a 3,424%.

READ  O lendário Carl Lewis ao lado de Miltos Tedoklou sobre a mudança profunda das regras: “É por isso que temos que ouvir os atletas”

No entanto, o mercado petrolífero dá sinais de calma nos investimentos, com os preços agora em baixa, com o Brent a 86,3 dólares por barril e o WTI a 82 dólares, com perdas de cerca de 0,8%.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *