Gipseli: Ao advogado de 19 anos que feriu um aluno e diretor de escola

Hoje, um rapaz de 19 anos que bateu com um martelo na cabeça de um estudante e, felizmente, esfaqueou o diretor, foi levado perante o Ministério Público de uma escola secundária em Kipseli.

Um menino de 19 anos entrou na escola ontem de manhã em busca de um aluno de 18 anos. Ao vê-lo, bateu-lhe na cabeça com um martelo, dirigiu-se à sala do gerente e esfaqueou-o no estômago.

Aparentemente, o jovem de 19 anos queria “castigar” o jovem de 18 anos por discutir com o irmão mais novo.

O agressor, natural da Geórgia, quis punir o estudante nigeriano porque este teve uma discussão com o irmão mais novo, que frequenta a mesma escola, alguns dias antes. Segundo a ERT, ele também queria se vingar do dirigente pela forma como lidou com o incidente.

Ele se escondeu no porão da escola

Após o ataque, os professores barricaram os alunos na sala de aula para sua segurança. O agressor se escondeu no porão da escola e ameaçou a polícia com uma faca. Ele foi finalmente preso e detido na Delegacia de Polícia de Agios Panteleimonas. Ele foi encontrado em posse de duas facas, um martelo e 6,5 gramas de metanfetamina cristal.

Ele foi acusado de tentativa de homicídio em série, violência doméstica e violações das leis sobre armas e drogas.

Um gerente de 60 anos com lesões abdominais e um homem de 18 anos com ferimentos na cabeça foram levados ao hospital, onde permanecem em estado crítico.

Testemunhos chocantes

O testemunho das crianças que viveram no mundo dos sonhos é chocante. A oração estava acontecendo no pátio da escola. Todos estavam indo para seus quartos, até que de repente houve um caos completo.

READ  As pressões estão a intensificar-se no mercado de ações no meio da turbulência geopolítica.

“Vimos o garoto (S.S. 19 anos) espancar o nigeriano, que tentou esfaqueá-lo em legítima defesa, depois o vimos bater na cabeça do garoto com um martelo, o garoto perdeu a consciência e estava sangrando por toda parte.”

Um aluno da escola descreveu o pânico na escola durante o ataque ao Live News.

“Ouvi vozes e fui até a escada para ver o que estava acontecendo. Vi o agressor espancando a vítima. As pessoas subiram correndo as escadas chorando. Perguntei o que aconteceu e eles me contaram. A aluna disse que não percebeu o extra turmas entrando na escola.

“A violência reflete nas escolas”

Acontece que raramente os diretores são obrigados a contactar as autoridades escolares em caso de incidentes de violência escolar.

“Esta é uma escola que costuma enfrentar problemas como atividades extracurriculares, drogas. Todos os dias acontecia alguma coisa. Ele já veio muitas vezes ao departamento, foi ameaçado muitas vezes”, diz a esposa de seu gerente.

“A questão da violência é uma questão externa à escola, que entra na escola”, observou Andreas Garkopoulos, vice-presidente da OLME.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *