Israel reage após ex-refém do Hamas revelar abuso sexual

Israel recuou ao mais alto nível após o suposto abuso sexual de um ex-refém do Hamas detido durante 55 dias pelo grupo islâmico palestino, com um porta-voz militar pedindo que “o mundo aja” e “liberte tudo”. Reféns”.

Amit Susana, um advogado israelense de 40 anos, foi sequestrado em sua casa no Kibutz Kafar Assa em 7 de outubro, durante um ataque do Hamas no sul de Israel. Numa longa entrevista ao jornal americano The New York Times, o primeiro israelense a falar sobre o assunto, ele dá muitos detalhes da violência sexual e da humilhação que sofreu durante o cativeiro.

A entrevista tornou-se hoje a primeira manchete dos jornais israelenses, alguns dos quais dedicam várias páginas.

“É um testemunho terrível, é um alerta, um apelo à ação para o mundo, para fazer o que puder e pressionar o Hamas para libertar os nossos reféns”, disse um porta-voz, o contra-almirante Daniel Hagari. Terça-feira do exército israelense.

“Amit Susanna fala em nome de todas as vítimas dos crimes hediondos e da violência sexual do Hamas (…) todas as mulheres em todo o mundo”, disse o presidente israelense, Isaac Herzog, em X.

Amit Susanna disse que foi raptada da sua casa, espancada e levada à força para Gaza por pelo menos dez homens, alguns dos quais estavam armados.

Poucos dias depois de sua captura, um de seus captores começou a fazer perguntas sobre sua vida sexual. Ela foi mantida sozinha no quarto das crianças com uma corrente no tornozelo esquerdo.

Em 24 de outubro, o seu carcereiro, conhecido como Muhammad, tirou-lhe as correntes e deixou-a numa casa de banhos.

Ele então a arrastou para uma sala sob a mira de uma arma e “depois me forçou a me envolver em atividades sexuais sob a mira de uma arma”, acrescentou Susanna. Ela foi libertada em 30 de novembro.

READ  Olympiakos é perigosamente agressivo e Medleybar não parece estar brincando

Cerca de 250 pessoas foram sequestradas em Israel em 7 de outubro, 130 das quais ainda são mantidas como reféns em Gaza, e 34 delas morreram, disseram autoridades israelenses.

Um relatório da ONU divulgado no início de Março citou a violência sexual cometida por membros do Hamas durante os ataques de 7 de Outubro em Israel, que mataram pelo menos 1.160 pessoas, a maioria delas civis.

O Hamas negou as acusações.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *