Na mente de Vladimir Putin: o que está por trás do seu apelo à paz na Ucrânia

À medida que a guerra na Ucrânia continua inabalável, surgiram relatos na sexta-feira de que Vladimir Putin, que impressionou a comunidade internacional, está aberto a negociações. No entanto, esta mudança na presidência russa deve ser encarada com grande cautela e com o peso da experiência anterior da Ucrânia – e do Ocidente – com a diplomacia russa.

De acordo com Relatórios da CNNO A Reuters citou quatro fontes, Surgiu a notícia de que Moscovo estava disposto a considerar negociações de paz que congelariam a actual ocupação russa de um quinto da Ucrânia. Putin respondeu à declaração insinuando que a Rússia estava pronta para discutir a paz com base em acordos anteriores.

Objetivos do Kremlin

Putin questionou a legitimidade do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, a quem Moscovo atacou repetidamente depois de Kiev ter sido forçada a adiar as eleições devido à guerra do próprio Putin. Ao mesmo tempo, houve relatos não confirmados de que o jacto privado do antigo presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, tinha aterrado na Bielorrússia.

O pró-russo Yanukovych fugiu da Ucrânia em 2014, depois que forças leais a ele mataram a tiros dezenas de manifestantes no centro de Kiev. A sua possível presença durante a reunião Putin-Lukashenko levou a especulações de que Moscovo espera conseguir um regresso por procuração ao poder na Ucrânia.

O objectivo menos brutal do Kremlin na Ucrânia – mais próximo da ocupação total ou parcial – envolve um presidente em Kiev que ele considere leal, que irá travar a marcha do país em direcção à UE e à NATO. Antes da invasão russa em 2022, este cenário parecia fantástico, mas agora parece menos quando é imposto a uma população que sofre com a brutalidade do Kremlin.

Putin questionou a legitimidade do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Instrumentalização da Diplomacia

A diplomacia sempre foi uma ferramenta militar para o Kremlin. Enquanto falava sobre a paz na Síria em 2015, os seus aviões de guerra atingiram civis em áreas controladas pelos rebeldes. Em 2015, ele falou sobre a paz com a Ucrânia, enquanto as tropas russas e os seus representantes estavam envolvidos num ataque à estratégica cidade ucraniana de Debaltseve.

READ  Justin Trudeau: Uma revelação sobre sua ex-esposa

Aparentemente, o presidente russo considera que vale a pena continuar as negociações se produzirem inesperadamente um resultado eficaz e não violento, ou se derem ao seu adversário uma razão para parar de lutar para tentar promover um acordo.

Duas razões

Moscovo pode agora falar de paz novamente por duas razões:

Em primeiro lugar, a Ucrânia e os seus aliados deverão convocar uma cimeira de paz na Suíça, em Junho, para discutir que tipo de acordo poderão chegar a acordo, sem a Rússia. O Kremlin pretende criar impulso para retirar-se quando as suas forças estiverem finalmente militarmente exaustas ou num impasse.

Aliado mais poderoso da Rússia, mas apenas um apoiante parcial na guerra na Ucrânia, Putin apela hoje a Pequim para que não se envolva em diplomacia diplomática com a Rússia devido à sua presença.

É pouco provável que a cimeira suíça ponha fim à guerra, mas poderá haver uma maior compreensão no Ocidente da gravidade da ameaça que um verdadeiro acordo de paz em Moscovo representa.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse na sexta-feira que as negociações de paz de Putin visavam diretamente sabotar a cúpula. “Putin não está actualmente disposto a pôr fim à sua agressão contra a Ucrânia”, escreveu ele no X, acrescentando que “é por isso que tem tanto medo da cimeira suíça”.

Notícias para o Ocidente

Em segundo lugar, e mais importante, Putin envia mensagens aos governos ocidentais e à actual campanha presidencial dos EUA. Ele está tentando dar a entender de forma opaca que tem um acordo simples em mãos – seja com os populistas na Europa ou com os republicanos do MAGA na América.

READ  Grã-Bretanha: menino de 8 anos para de falar e morre em poucos dias

O apoio ocidental à guerra é caro e cada vez mais impopular – os recentes 61 mil milhões de dólares por ano aprovados pelo Congresso podem ter proporcionado algum alívio ao problema de cair em desgraça junto do público eleitoral.

A Rússia, e Putin em particular, quer apresentar uma imagem diferente aos líderes ocidentais

Mensagens para ouvidos receptivos

O relatório da Reuters permite que aqueles no Ocidente que querem acabar com a guerra acreditem que o Kremlin pode acabar com a guerra imediatamente. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a declaração reflete a posição permanente da Rússia. Mas para rostos ocidentais básicos pode ser novo e interessante:

Donald Trump – que não explicou como irá implementar a sua afirmação de que pode acabar com a guerra em 24 horas – e outros membros da NATO nunca deveriam confiar na Rússia, mais do que na França, no Reino Unido e nos Estados Bálticos. Mesa de negociação.

Putin é um pragmático

Ele começou a guerra pensando que seria fácil. Ela acreditava que a tolerância à dor, a determinação para comandar e a paciência para o sucesso venceriam. Ele pode estar agora. Ele vê agora um momento de fraqueza eleitoral nos Estados Unidos e noutros países europeus, ao qual rebate com uma mensagem vaga e opaca de que este pode ser um momento para a diplomacia.

É provável que ganhe alguma força entre aqueles que acreditam fervorosamente que a guerra na Ucrânia irá simplesmente desaparecer e que estão menos conscientes da ameaça existencial que uma Moscovo bem-sucedida e excessivamente militarizada representa para os membros orientais da OTAN. Mas tem de ser vista através das lentes do profundo cinismo da diplomacia anterior de Moscovo na Síria e na Ucrânia: usada como um momento para perseguir agressivamente os mesmos objectivos militares, mas contra o pano de fundo errado, a paz pode estar ao virar da esquina.

READ  “Uma lei não é suficiente”, perguntada na Constituição (fotos)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *